sábado, 29 de fevereiro de 2020

A Sarça Ardente



O filme começa. Está escuro, então não enxergo nada além do negro da tela. Não vejo, mas logo escuto: ela pede para eu filmar o seu rosto. Mas eu não vejo o seu rosto, e como Cézanne costumava dizer sobre a pintura, só se pode pintar aquilo que se vê. O que não se vê só se pode deixar de fora, e essa afirmação é perfeitamente aplicável no cinema também. Logo em seguida ela pede para eu filmar o céu. O céu eu vejo, basta olhar para o alto - então eu começo a filmá-lo. Finalmente ela pede para eu filmar o rosto dela no céu, e isso eu posso ver também. E lá ele está.

Logo em seguida, desço o meu olhar, porque percebo um movimento que me distrai do que me propus a filmar ali. Estamos agora no mundo da criatividade, da fantasia, e lá vemos um rapaz vestido com roupas sujas, de aspecto meio esdrúxulo com um chapéu de palha fora de lugar (detalhe especial para o Viktor com uma belíssima protuberância na região abdominal, incrível), descendo a estrada de terra em passos largos. Entre as árvores, vejo o sol, como que escondido, mas definitivamente presente, silenciosamente observador.

Alguém realiza uma tarefa caseira. Banal, mas que me oferece um certo mistério - eu não a vejo por inteiro, apenas parte do seu rosto por entre as roupas penduradas. Ela aparenta ser jovem e aparenta ser bela, mas não me é acessível. Em cima dela está o céu, mas eu não o vejo mais, agora estou focado em tentar descobrir mais sobre essa garota de voz contida e pouca expressividade.

Ele pede por abrigo e comida, ela concede, e logo estamos dentro de uma pintura que aparenta vir de alguém como Vermeer iluminado por alguém como Rembrandt se Vermeer não soubesse pintar e Rembrandt não soubesse iluminar seus cenários. As frutas do Cézanne estão presentes, como não podia ser diferente em um banquete sonhado.

Descobrimos de vez que estamos no terreno da imaginação: Ali temos a filha do Sol, estrela da vida e da existência, do calor e da impetuosidade, e o filho da Lua, corpo astronômico das paixões, da dubiedade, da representação e dos coelhos escondidos. Descobrimos o que faz o filho da Lua ali: está atrás da sua irmã, Vitória Régia, que fugiu de casa após se apaixonar pela mãe. Logo percebemos que existe algo para além de um amor fraternal entre ele e a princesa do reino lunar, apesar de ainda não termos isso explícito. Beatriz aparenta flertar com o príncipe, mas de maneira contida. Ela indica que uma entidade chamada Mãe d’Ouro pode ajudá-lo.

Mãe d’Ouro é um espelho, que diz podê-lo castigar com o que ele mais deseja no mundo. É um reflexo ligado ao mundo material ou um reflexo que transcende a matéria? Seria possível olhar no espelho e ver outra pessoa? Olhar uma imagem em uma tela bidimensional e encontrar o rosto de algum outro ali?

Em seguida Boitatá aparece e lhe fala de Iara, que tem feito muitas vítimas ultimamente. Ela pede sua ajuda e ele resolve um problema estatístico descobrindo onde o próximo amante de Iara se encontrará. Ao resolvê-lo, é transportado para um ambiente onírico e toca uma música para a dança de Beatriz, e em seguida finalmente encontra Iara, em um estado simultaneamente depressivo e lascivo. Iara diz ser Vitória. Seria se apaixonar encontrar os traços da mulher que você ama em outras mulheres?

Beatriz jura vingança contra seu pai, o espelho de Júlio é morto com um beijo, e assim finalmente ele encontra a liberdade. Se libertar dos seus desejos é talvez se libertar também das suas necessidades fisiológicas. A vingança contra a matéria é a aniquilação da dependência do idealismo para com o materialismo: a partir do momento em que tudo o que existe é ideia, toda a dor desaparece. Não há senso de probabilidade nem de realidade, existe apenas o tudo, fora do tempo e espaço, fora da consciência, um sonho absoluto onde tudo simplesmente é e não é, sem subordinação a nada - tudo já está ali.

Depois do teatro amador que testemunhamos, vemos que aquilo era só um trabalho de garagem de alguns amigos, e em seguida o diretor vai conversar com sua atriz. Após algumas piadas sem graça, eles discutem o princípio holográfico e as dez dimensões. Se o mundo é ele próprio uma representação – um plano bidimensional cujas informações ali podem construir um mundo tridimensional quando extrudadas - seria possível dizer que existe propriamente algo de material?

O sol queima, a existência é dor física. Cada tapa dado, cada rastejo na terra, cada toque, todo o frio do dia da filmagem, tudo isso foi 100% verdade. Inventar verdades é coisa séria. Cada palavra proferida é significativa, cada 'som foi', cada ação. O que significa ter fé na representação? Encontrar na filmagem um resquício de realidade que possa dar ao imaginário a potência do real. O problema das ideias é que elas não tem substância. São formadas pelo princípio da frustração. Existiria algum estado de espírito que permita algo para além da memória? Seria possível, com a força da representação, encontrar no mais amador, mais inconsistente, mais desleixado exercício, um resquício das coisas que você amou? Vivê-las para além da sua descrição. O problema da representação é esse: é difícil imaginar as coisas que não estão lá. Cinema é uma busca. Tentar encontrar alguma singularidade na qual o tempo e o espaço possam colapsar, mesmo que por um instante, onde a subordinação do espírito para a memória e a factualidade possa dar lugar a um absoluto fora de si mesmo.

Beatriz Viterbo ou Estela Canto? Sempre que leio ou escuto ou danço ou sinto Beatriz, eu vejo Estela. Às vezes eu sinto cheiro de um perfume, não é o aroma daquela flor do deserto, mas me lembra, relembro, ressinto, re-sinto, revejo. Eu gosto de sonhar porque quando eu sonho eu não sou eu mesmo, sou um reflexo e vejo meu reflexo beijar o seu espelho. Somos e eu digo Sim. E o sonho continua, e continua, e continua, e continua, e continua, e cont

terça-feira, 31 de dezembro de 2019

2019

50 filmes favoritos:
(2017-2019 assistidos pela primeira vez em 2019)


50) Gemini Man – Ang Lee



49) 3 From Hell – Rob Zombie



48) Doubles Vies - Olivier Assayas



47) O Que Arde – Oliver Laxe


46) Ad Astra – James Gray



45) Crawl - Alexandre Aja



44) High Life - Claire Denis


43) Anna - Luc Besson



42) Le Daim - Quentin Dupieux



41) Alita: Battle Angel - Robert Rodriguez


40) 3 Faces - Jafar Panahi



39) Liberté - Albert Serra



38) The Halt - Lav Diaz



37) Temporada - André Novais Oliveira



36) Bacurau - Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles



35) Portrait de la Jeune Fille en Feu - Céline Sciamma



34) Where’d You Go, Bernadette? - Richard Linklater



33) Hustlers – Lorene Scafaria



32) Knives Out – Rian Johnson



31) Hanagatami – Nobuhiko Obayashi



30) In My Room – Ulrich Köhler



29) The Irishman – Martin Scorsese



28) Un Couteau Dans Le Coeur – Yann Gonzalez



27) Monrovia, Indiana - Frederick Wiseman


26) Amor Até As Cinzas - Jia Zhangke



25) The Mule - Clint Eastwood



24) Parasita - Bong Joon-Ho



23) Glass - M. Night. Shyamalan



22) Sedução da Carne - Júlio Bressane



21) Chasing Dream – Johnnie To



20) Detetive Dee: Os Quatro Reis Celestiais - Tsui Hark



19) John Wick: Chapter 3 - Parabellum - Chad Stahelski



18) Once Upon a Time In Hollywood – Quentin Tarantino



17) Il Traditore – Marco Bellocchio



16) Dragged Across Concrete - S. Craig Zahler



15) Sibyl - Justine Triet



14) Filme Delírio - Bruno Pires



13) Waldheims Walzer – Ruth Beckermann



12) The New King Of Comedy - Stephen Chow



11) Asako I & II – Ryūsuke Hamaguchi



10) Uncut Gems – Josh Safdie, Ben Safdie



9) A Portuguesa – Rita Azevedo Gomes



8) Estação do Diabo – Lav Diaz



7) Mademoiselle de Joncquières - Emmanuel Mouret



6) Synonymes – Nadav Lapid


5) Martin Eden – Pietro Marcello



4) O Fim da Viagem, o Começo de Tudo - Kiyoshi Kurosawa


3) O Hotel às Margens do Rio - Hong Sang-Soo


2) La Flor - Mariano Llinás



1) Vitalina Varela – Pedro Costa



100 álbuns favoritos:
1) Liturgy – H. A. Q. Q.
2) Christian Scott aTunde Adjuah - Ancestral Recall
3) Billie Eilish - When We All Fall Asleep, Where Do We Go?
4) Paal Nilssen-Love – New Japanese Noise
5) black midi – Schlagenheim
6) Uboa - The Origin Of My Depression
7) Richard Dawson – 2020
8) Xiu Xiu - Girl With Basket of Fruit
9) Weyes Blood - Titanic Rising
10) Kero Kero Bonito – Civilisation
11) Bill Callahan - Shepherd in a Sheepskin Vest
12) Otoboke Beaver - ITEKOMA HITS
13) Kate Tempest – The Book Of Traps And Lessons
14) Matana Roberts – COIN COIN Chapter Four – Memphis
15) Prince – Originals
16) Red Velvet - 'The ReVe Festival' Finale
17) maquinas – O Cão de Toda Noite
18) Sarah Davachi - Pale Bloom
19) Triad God – Triad
20) La Dispute - Panorama
21) Thelma - The Only Thing
22) Purple Mountains - Purple Mountains
23) JPEGMAFIA - All My Heroes Are Cornballs
24) Jenny Hval - The Practice Of Love
25) Caroline Polachek - Pang
26) Charli XCX – Charli
27) Twice – Feel Special
28) Nivhek - After its own death / Walking in a spiral towards the house
29) William Doyle – Your Wilderness Revisited
30) Pharmakon - Devour
31) Paal Nilssen-Love - New Brazilian Funk
32) Lighning Bolt – Sonic Citadel
33) The Comet Is Coming - Trust In The Lifeforce Of The Deep Mystery
34) Glenn Branca – The Third Ascension
35) Holly Herndon – PROTO
36) Denzel Curry - ZUU
37) Sourakata Koité - en Hollande
38) Fat White Family - Serfs Up!
39) Tantão e os Fita – Drama
40) Duster - Duster
41) Jute Gyte – Birefringence
42) Alex Cameron - Miami Memory
43) Angel Olsen – All Mirrors
44) clipping. - There Existed an Addiction to Blood
45) Loona - [X X]
46) Vampire Weekend – Father Of The Bride
47) Sunn O))) - Life Metal
48) Helado Negro - This Is How You Smile
49) Freddie Gibbs & Madlib - Bandana
50) City & i.o - Spirit Volume
51) (G)I-DLE - I Made
52) Mount Eerie with Julie Doiron – Lost Wisdom pt. 2
53) Clima - La Commedia é Finita
54) Little Simz - Grey Area
55) Ana Frango Elétrico – Little Electric Chicken Heart
56) Tropical Fuck Storm – Braindrops
57) Caterina Barbieri - Ecstatic Computation
58) Lizzo - Cuz I Love You
59) Chai – PUNK
60) Young Thug - So Much Fun
61) CLC - No. 1
62) Blood Incantation – Hidden History of the Human Race
63) Kirn J. Callinan - Return To Center
64) Lana Del Rey - Norman Fucking Rockwell
65) Loraine James – For You And I
66) Tyler, The Creator - IGOR
67) Twice – Fancy You
68) The Florist - Emily Alone
69) Bruce Springsteen - Western Stars
70) Sui Zhen – Losing, Linda
71) Danny Brown – uknowwhatimsaying?
72) Big Thief – Two Hands
73) Thom Yorke – ANIMA
74) PUP - Morbid Stuff
75) Dorian Electra – Flamboyant
76) Topdown Dialectic – Vol. 2
77) State Faults - Clairvoyant
78) Katie Dey - Solipsisters
79) Flume - Hi This Is Flume
80) Lingua Ignota – CALIGULA
81) Clairo - Immunity
82) Sharon Van Etten – Remind Me Tomorrow
83) Matmos - Plastic Aniversary
84) Carly Rae Jepsen – Dedicated
85) Shiina Ringo - Sandokushi
86) FKA Twigs - Magdalene
87) Banks – III
88) Nick Cave & The Bad Seeds - Ghosteen
89) Sadness – I Want To Be There
90) Epik High - sleepless in __________
91) Slayyyter – Slayyyter
92) Chelsea Wolfe – Birth Of Violence
93) Fennesz – Agora
94) Slauson Malone - A Quiet Farewell, Twenty Sixteen to Twenty Nineteen
95) James Blake – Assume Form
96) BTS - Map Of The Soul: Persona
97) Laura Stevenson - The Big Freeze
98) Panda Bear - Buoys
99)Jessica Pratt - Quiet Signs
100) Deerhunter – Why Hasn’t Everything Already Disappeared?

Principais livros lidos do ano:
La Luna e i Falò – Cesare Pavese
L'Oiseau Bleu - Maurice Maeterlinck
Moby Dick - Herman Melville
Quincas Borba - Machado de Assis
Songs Of Innocence & Experience - William Blake
Os Melhores Contos de H. P. Lovecraft - H. P. Lovecraft
A Tale Of Two Cities - Charles Dickens
Illusions Perdues - Honoré de Balzac
La Cantatrice Chauve – Eugène Ionesco
La Leçon - Eugène Ionesco
La Chanson Douce - Leïla Slimani
A Midsummer Night's Dream - William Shakespeare
Le Grand Meaulnes - Alain-Fournier
Le Ravissement de Lol V. Stein - Marguerite Duras
On n’y Voit Rien – Daniel Arasse
Nadja – André Breton
À Rebours – Joris-Karl Huysmans